Paulinho Couros

Seu E-commerce do Couro

Sobre o Couro

Famoso por ser um material utilizado na elaboração de calçados, cintos, bolsas, pastas, carteiras, jaquetas e calças, o couro faz parte da história da humanidade e se tornou um item presente na moda e na elaboração de looks, tanto formais quanto casuais.

O que é o couro legítimo?

Conhecido por ser uma matéria-prima muito nobre, o couro legítimo é extraído da pele de animais, como boi e carneiro. Também chamado de couro natural, ele normalmente é confeccionado em um curtume e passa por várias etapas de fabricação, desde a extração até o resultado final.

Por ser composto por matéria orgânica, ele precisa passar por uma série de processos para conservação, como a hidratação e a respiração. Sendo assim, sua qualidade, durabilidade e resistência são incomparáveis.


Quais são as suas vantagens?

Como já mencionamos, o couro é um material nobre e, se comparado a outras opções, oferece vantagens visivelmente melhores. A seguir, confira as principais!

Não queima

O couro é a pele do animal curtida e, por esse motivo, não queima quando um fogo se aproxima dele. Porém, é preciso lembrar: apesar de não queimar, a primeira camada de tratamento da pele pode manchar, se o fogo for mantido por muito tempo em contato. Já as opções sintéticas são inflamáveis: basta um pequeno fogo para começar a deformação do material.

É permeável e permite a transpiração do corpo

Por ter fibras naturais, o couro legítimo permite a transpiração do corpo e dos pés, evitando o desenvolvimento de bactérias e formação de possíveis odores. Entretanto, o material é permeável e, portanto, é importante ficar atento quanto ao contato com a água — especialmente se você estiver com ele.

Por isso, o recomendável é deixar secando naturalmente em local arejado e seco, sem contato direto com o sol. E no caso do couro sintético, a água é rapidamente absorvida.

É muito macio ao toque

A textura do couro legítimo não é perfeita, e esse é mais um dos fatores que diferencia de outros materiais. Porém, apesar de ter veias, poros e marcas naturais, apresenta maciez e flexibilidade incomparáveis.

É mais durável

Por ser firme, resistente, não rasgar, não queimar e não arrebentar, o couro é um material muito mais durável do que outros materiais. Bolsas e jaquetas produzidas com ele, por exemplo, podem durar anos e anos se forem bem cuidadas. E é importante lembrar que, mesmo sendo um material nobre e bem resistente, ele não é a prova de contra arranhões. Por isso, é normal que, com o uso contínuo, o produto comece a apresentar pequenos desgastes em pontos específicos do produto, o que não compromete a qualidade e a durabilidade do produto. Por isso, é importante sempre cuidar bem do produto, limpando e usando hidratantes específicos que farão o couro ficar bonito por muito mais tempo.


Como identificar o couro legítimo?

Visualmente, o couro natural pode parecer similar ao sintético. Por isso, é importante saber reconhecer uma peça legítima de couro. Confira!

Verifique as especificações nas etiquetas

Uma etiqueta de couro legítimo precisa conter as especificações do produto, como “100% couro”, “couro genuíno”, “couro legítimo” e “feito com produtos animais”.

Já as indicações “PU”, “couro ecológico”, “poliuretano” e “PVC” caracterizam os materiais sintéticos.

Observe a superfície da peça

Única e imperfeita, a superfície do couro natural é irregular e apresenta traços específicos de um material legítimo.

Arranhões, rugas, vincos e até pequenos caroços são características do produto. Todavia as bordas também possuem pontos mais ásperos em vez de cortes perfeitos, devido ao desgaste natural das fibras.

Verifique a permeabilidade do material

Em outras palavras uma dica simples e prática é verificar a permeabilidade do material. Assim também, basta pegar algumas gotinhas de água e jogar sobre a peça: se elas forem lentamente absorvidas, o couro é original.

Pense no preço da peça

Por fim, é importante avaliar o preço da peça. Em geral, o couro sintético ou ecológico apresenta valores muito inferiores. Entretanto o couro legítimo, por passar em um processo muito mais trabalhoso e apresentar uma maior qualidade, tende a ser mais caro.


Viu como é fácil identificar o couro legítimo? Então, aproveite as dicas e fique atento ao comprar uma peça. Lembre-se de que o material é clássico, versátil, confortável e muito bonito para o dia a dia, mas é importante que a peça seja de qualidade para assegurar essas vantagens, além da durabilidade.

Couro

Fonte: wikipedia

couro é um material durável e flexível criado pelo curtimento de couro cru e peles de animais. A matéria-prima mais comum é o couro bovino. Ele pode ser produzido em escalas de manufatura que variam da escala artesanal à escala industrial moderna.

Ao mesmo tempo o couro é usado para fazer uma variedade de artigos, incluindo calçados, assentos de automóveis, roupas, bolsas, encadernações de livros, acessórios de moda e móveis. É produzido em uma grande variedade de tipos e estilos e decorado por uma ampla gama de técnicas.

É importante salientar que no Brasil é proibido por lei o uso da palavra “couro”, como por exemplo “couro sintético” ou “couro vegetal”, para qualquer material que não seja de origem animal, de acordo com a lei 11/211 de 2005.

O couro bovino compõe-se duas partes importantes:

  • Flor: camada externa do couro, que apresenta as características da pele, como os poros, típicos de cada animal.
  • Raspa é a camada subjacente à flor, originada na operação de Divisão. Posteriormente utilizada para a produção de artigos aveludados (camurças e camurções), podendo também receber acabamento para assemelhar-se à Flor.

Nesse ínterim o couro possui diferentes regiões, cada uma delas sendo adequada à confecção das diversas peças que vão compor os produtos de couro.

Acima de tudo os couros se dividem em:

  • Grupon (do fr: croupon): região central, mais nobre, correspondente ao lombo no animal;
  • Pescoço ou cabeça;
  • Barriga ou flancos.

Defeitos mais comuns no couro

  • Berne
  • Furos encontrados no couro, causados pela larva da mosca conhecida como berne. Em peles envernizadas ou prensadas deve ser feita uma verificação pelo carnal, pois o defeito normalmente não é visível por ser coberto pelo verniz ou pelo deslocamento do material próximo ao furo.
  • Carrapato
  • São marcas (cicatrizes) feitas pelo carrapato, e aparecem nos couros que não têm a flor lixada.
  • Cortes de esfola
  • São cortes que aparecem no couro, às vezes não o transpassando, causados por faca; quanto da retirada do couro do animal abatido.
  • Marcas de fogo
  • Defeitos causados posteriormente pelas marcas de identificação do animal, que causam grande prejuízo nos couros.
  • Riscos
  • Defeitos causados normalmente por chicote, arame farpado ou mirão, e que aparecem na flor do couro.
  • Veias
  • São as artérias do animal, que por problemas de estrutura se alargam e ficam perto da flor, aparecendo após o curtimento.
×